Fabio Bernardi, o defensor das boas ideias

O diretor de criação e vice-presidente de criatividade da Paim, Fabio Bernardi, vem ao blog contar como será a sua futura disciplina no Curso de Criação, a Defesa da Ideia.

É a primeira vez que será professor?
Já dei aulas esporádicas, assim como esta também será. Mesmo assim, estou ansioso pelo momento. Tenho muito prazer na troca de ideias e vejo uma sala de aula como o ambiente mais propício para isso.

A sua disciplina será a “Defesa da Ideia”. E aí como defender bem uma ideia?
Depende, cada cliente, cada ideia pede uma abordagem diferente. Se tivesse uma resposta pronta não seria uma cadeira de dois dias inteiros, não é?

Qual o seu maior orgulho na vida?
Ter amigos verdadeiros.

Como você imagina a sua aula?
Instigante, desafiadora, participativa, alegre e com alguns conteúdos interessantes…

Você é o vice-presidente de Criatividade da Paim. Quais as atribuições deste cargo?
Antes de mais nada, sou o diretor de criação da Paim. Esta é minha principal função na agência. Mas na Paim acreditamos que o papel da criação não é apenas ter ideias, é colocar estas ideias em pé, cuidando de todas as etapas até que elas veiculem, ou viralizem, ou sejam expostas, ou simplesmente aconteçam numa ação de rua. A criação da vice-presidência de criatividade é para deixar num mesmo eixo estratégico e operacional as áreas que contribuem para que a idéia vire realidade. Como VP, comando a criação, o estúdio, a produção gráfica, a produção eletrônica e digital e também a área de operações como um todo, que tem uma diretora específica. São as áreas que criam e produzem. Existe apenas uma outra vice-presidência na Paim, a de Estratégia, que organiza no mesmo eixo o planejamento, o atendimento e a mídia. São estes dois pilares, criatividade e estratégia, que norteiam todo o trabalho da agência.

No cenário atual, quais elementos não devem faltar na construção de uma peça publicitária?
Os mesmos de sempre: inteligência, pertinência, diferenciação e relevância. Em alguns casos, ousadia pode ser bem-vinda. Em outros, precisamos de bom senso. E ainda há casos em que precisamos de mais possibilidades de diálogo com o consumidor. Mas, se eu tivesse que resumir tudo numa palavra só, essa palavra seria EMOÇÃO. Seja ela qual for. E pra ter emoção, é preciso ter uma história. E esse é um componente de toda grande peça que começa num grande produto ou numa grande marca.

Aliás, é ainda um desafio casar criatividade com estratégia de venda?
Só pra quem acha que são coisas que precisam ser casadas, como se fossem dois seres distantes um do outro. Criatividade é um motor de qualquer negócio. Conheço muitos clientes que são muitos criativos nas táticas comerciais ou nas abordagens de RH, mas na hora da comunicação têm preconceito, achando que criatividade é coisa de publicitário. Toda empresa criativa na essência do negócio é mais saudável e mais competitiva, além de fidelizar mais o seu cliente. Basta olhar para as peças nos anuários pra ver que a propaganda apenas espelha a essência do negócio.

Descreva um pouco do teu cotidiano.
O que mais gosto na minha atividade é que o cotidiano tem pouco de cotidiano. Posso passar um dia numa filmagem ou numa sala com vinte pessoas discutindo a proposta de valor de uma marca. Mas, geralmente, passo meus dias olhando brains da criação, discutindo caminhos criativos com o planejamento, em reuniões de produção ou apresentando campanhas para clientes. Como a Paim tem muitos clientes de fora do RS, também viajo bastante. E como VP também me envolvo com prospeções, o que também coloca na minha pauta discussões de mídia, produção, planejamento…E tudo isso sem falar nas reuniões com os chefes departamentos, para aprimorar os processos internos da própria agência.

Gostou? Compartilhe: