Brilho nos olhos.

* Por Zico Farina, Diretor de Criação da Africa

Adoro segundas-feiras. O nome da coluna de hoje deveria ser Happy Mondays. Melhor ainda se hoje fosse segunda-feira e não quarta-feira. Segunda-feira nada mais é que um 1º de janeiro semanal. É como se você pudesse fazer aquelas mesmas promessas da virada do ano sem esperar 365 dias. Passam 7 e você tem o direito de rever tudo. Segundas-feiras têm esse poder.

Não é justo você passar um ano inteiro para ter que mudar tudo aquilo que você já percebeu que tinha que mudar com apenas 2 minutos. O que fazer com o resto dos 12 meses? Eu acredito basicamente em uma coisa: brilho nos olhos.

Tudo o que você fizer na sua vida tem um bônus e um ônus. E se você fizer uma conta básica – não sou bom em matemática – vai ver que a ideia é sempre ter mais prazer do que sofrer.

brilhonosolhos
Ilustração: Fernando Jobim

A gente vê com o passar do tempo que o sofrimento é inevitável e também é motivador. Eu lembro quando me convidaram a dar a primeira aula na ESPM e aceitei. Quatro segundos depois, me perguntei: caceta, o que eu vou falar? Eu tinha recém assistido a uma palestra do Benjamin Zander, no TED. O maestro falou de algo como Chopin e a vida. Não era esse o nome da palestra, mas era esse o assunto. Com o seu bom humor inglês, Zander foi mostrando como a música clássica havia moldado o seu jeito de ver o mundo. No papel de maestro, ele falou de algo que até hoje eu levo como um ensinamento básico para quem faz gestão de talentos: saber entender a métrica. Deixa eu explicar: numa orquestra, o maestro é o único integrante que não emite um único som. Ele segura a vareta e vai regendo uma equipe inteira. Nota após nota, movimento após movimento, vemos uma orquestra inteira funcionar. Metais, sopros, cordas, percussão. Tudo entrando em perfeita harmonia.

De onde vem essa energia? Talvez do desafio de não desafinar. Do esforço hercúleo de fazer os sons virarem melodia.

Mas isso só é possível quando você acredita no que faz. Mesmo sendo um coadjuvante. Mesmo sendo um regente. Mesmo sendo apenas alguém na plateia que resolveu vencer a inércia do sofá e se deslocar para um concerto.

Qualquer movimento que você faz, faz você se mover. Qualquer movimento que você faz com os olhos brilhando, faz você mudar. E mudar é se mover para onde você quis sempre estar.

Que venha o próximo dia, a próxima segunda-feira e o próximo desafio. Meus olhos estão brilhando desde agora.

Dica: Youtube.com, palestra de Benjamin Zander. E comece uma segunda-feira melhor. Com olhos brilhando.

Gostou? Compartilhe: